Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Histórico > Sobre a Brigada > Histórico > Combate da Venda Grande
Início do conteúdo da página

 Histórico da Fazenda Chapadão

fazenda antigaFazenda constituída de terras sesmeiras foi fundada em torno do ano de 1790, como engenho de açúcar, sob o nome de SÍTIO GRANDE, pelo proprietário Capitão de Dragões Joaquim José Teixeira Nogueira, tendo por sede a casa que atualmente é o prédio Coronel Pedro Penedo Pedra (primeiro administrador militar da Fazenda Chapadão), sede do Comando da Brigada.

Em 1832, falecendo o fundador que foi o terceiro dos maiores produtores de açúcar em seu tempo, a propriedade passou a seu filho Major Luciano Teixeira Nogueira, que construí a sede atual e que era pai do Alferes Porta–Bandeira Francisco de Paula Nogueira, nascido na atual casa sede do Comando da Brigada e falecido em combate em 22 de junho de 1866, na Guerra do Paraguai.

Ao findar o século XIX, até 1902, a Fazenda, então produtora de café, pertencia aos BARÕES DE ITAPURA, sendo a Baronesa filha de Francisco Egídio de Souza Aranha e sua mulher Dona Maria Luzia de Souza Aranha.  Depois de viúva, a referida Baronesa, foi agraciada com o título de Viscondessa de Campinas, deste casal nasceu o Marques de Três Rios.

Em 30 de julho de 1942, no Salão Nobre do edifício do Quartel General da II Região Militar, na Rua Conselheiro Crispiniano, nº 378, SP/SP, com recursos do Plano Especial de Obras Públicas e Reaparelhamento da Defesa Nacional, a área foi adquirida por cinco mil contos de Reis do casal Sr Octaviano Alves de Lima e Sra Anna Telles Alves de Lima, para fins de instalação de uma Divisão de Motomecanização do Exército Nacional.

Av Sd Passarinho antiga

Em 1946 o Coronel Penedo Pedra, foi nomeado pela Portaria Ministerial nº 9663, de 5 de novembro de 1946, o primeiro administrador militar da fazenda, tendo recebido a mesma do arrendatário, o Sr. João Batista Alves de Silva Teles. O imóvel funcionou até os idos de 1970 como Fazenda Militar.

Em 1972 o último Diretor da Fazenda Militar do Chapadão, Tenente Coronel Raimundo Rodrigues Sobrinho entrega todo acervo da fazenda para a nova Grande Unidade criada, a 11ª Brigada de Infantaria Blindada.

Histórico da Brigada

A 11ª Brigada de Infantaria Leve é originária do 1º Grupamento de Artilharia de Costa da 2ª Região Militar, criado em 1943, na cidade de Santos (SP), em plena 2ª Guerra Mundial, com o objetivo de defender o litoral paulista das agressões nazistas que se faziam presentes em águas marítimas brasileiras. Em 22 de dezembro de 1971, por reorganização do II Exército e da 2ª Divisão de Exército, foi criada a 11ª Brigada de Infantaria Blindada (Bda Inf Bld), pela Portaria nº 38 -GB. foto blindado3

A partir de 10 de fevereiro de 1972, a brigada deu início às suas atividades, instalando-se inicialmente no prédio desocupado da Artilharia Divisionária da 2ª Divisão de Exército, em Jundiaí (SP), por esta ter sido deslocada para a cidade de  Santos-SP. Dividiu durante 10 meses o aquartelamento em Jundiaí, com a 2ª Companhia de Comunicações Blindada que na época também se encontrava naquela cidade.

Durante esta fase embrionária foi Comandante interino o Coronel Oscar de Abreu Paiva, então Comandante do 1º Batalhão de Carros de Combate Leve, depois 28º BIB, uma das unidades que comporiam a nova Brigada.

Em 30 de abril de 1972 um destacamento precursor comandado pelo Tenente Coronel Luiz Conforte Junior veio receber o acervo da Fazenda Chapadão e iniciar os trabalhos de implantação da Brigada, sendo que em agosto de 1972 foi nomeado como primeiro comandante o General de Brigada Geraldo Knaack de Souza.

Em 23 de novembro de 1972, mudou-se definitivamente de Jundiaí para Campinas, ocupando a sede principal da Fazenda Chapadão.

foto guarda antiga

A criação da Brigada teve por finalidade grupar, taticamente em uma Grande Unidade, as Organizações Militares (OM) sediadas no eixo São Paulo–Brasília, eixo conhecido como “Via Anhanguera”, caminho percorrido pelo insigne bandeirante paulista Bartolomeu Bueno da Silva. Sendo assim, em 7 de dezembro de 1994, o Exército Brasileiro concedeu à 11ª Bda Inf Bld a denominação histórica de “Brigada Anhanguera”.

As peculiaridades do combate moderno levaram à transformação da Brigada Blindada em 11ª Brigada de Infantaria Leve (GLO), em março de 2005, dando surgimento a uma tropa especializada e adaptada para o emprego em ambiente urbano, palco dominante da guerra convencional moderna, das missões de paz e das operações de garantia da Lei e da Ordem (GLO).

Em 2013, recebeu a denominação de 11ª Brigada de Infantaria Leve.

Com o início da chegada das viaturas blindadas de transporte de pessoal Guarani, a partir de maio de 2021, a Brigada Anhanguera começou sua transformação para uma Brigada Mecanizada, readquirindo proteção blindada, potência de fogo, mobilidade e ação de choque, com o objetivo de se projetar como uma Tropa Expedicionária, com capacidade de emprego em qualquer parte do território nacional e no exterior.


Composição atual da Brigada

4º Batalhão de Infantaria Mecanizado, “Regimento Raposo Tavares”, sediado em Osasco (SP);

28º Batalhão de Infantaria Mecanizado, “Batalhão Henrique Dias”, sediado em Campinas (SP);

37º Batalhão de Infantaria Mecanizado, sediado em Lins (SP);

13º Regimento de Cavalaria Mecanizado, “Regimento Anhanguera”, sediado em Pirassununga (SP);

2º Grupo de Artilharia de Campanha, “Regimento Deodoro”, sediado em Itu (SP);

2º Batalhão Logístico, “Batalhão Cidade de Campinas”, sediado em Campinas (SP);

11ª Companhia de Engenharia de Combate Mecanizada, “Companhia Barão de Pindamonhangaba”, sediada em Pindamonhangaba (SP);

2ª Companhia de Comunicações Mecanizada, sediada em Campinas (SP);

Companhia de Comando da 11ª Brigada de Infantaria Mecanizada, sediada em Campinas (SP);

11º Pelotão de Polícia do Exército, sediado em Campinas (SP);

 

 

vc sabia

 Conheça a história do Combate da Venda Grande que ocorreu onde hoje é a fazenda do Comando da 11ª Brigada de Infantaria Mecanizada.

 

 

 

Fim do conteúdo da página